Pages Menu
Categories Menu

Postado em 1/02/2012 em Porta Joias | 1 comentário

Ametista: A pedra do Mês de Fevereiro

Ametista: A pedra do Mês de Fevereiro

Dando prosseguimento à série de posts sobre pedras que representam os meses do ano, chegamos a fevereiro e às discussões sobre a pedra Ametista. Considerada preciosa pela Igreja Católica até o século XVIII, assim como a esmeralda, a safira, o rubi e o diamante, a ametista – que era tida como o mais importante mineral deste grupo – foi perdendo valor comercial com a descoberta de abundantes jazidas ao redor do mundo, especialmente no Brasil. Hoje, ela pertence ao conjunto das pedras semi-preciosas.


Chamada de “Cinderela das pedras”, a ametista tem coloração púrpura e aparece como a gema mais valiosa do grupo do quartzo. Mesmo que seu prestígio conceitual tenha caído no mercado, ainda hoje diversas joias utilizam a pedra como forma de adorno e, por isso, o Blog da Vecchio Joalheiros faz questão de apresentá-la neste espaço.

 

Origem e mitologia

 

Oriunda do grego, a palavra ametista une o prefixo “a”, que significa “não”, com “methuskein”, que quer dizer “intoxicar”. De acordo com as crenças antigas, a pedra possuía o poder de proteger seus donos da embriaguez.

Há, inclusive, na mitologia grega uma história que faz alusão direta ao nome. Na lenda, Dionísio e Artemis discutem sobre o destino da bela ninfa Amethysto, que o deus queria para saciar seu prazer. Com o intuito de proteger a jovem do assédio do deus do vinho, Artemis transforma a ninfa numa pedra transparente e cristalina. Vendo a beleza do mineral e arrependido por sua fúria desmedida, Dionísio derrama vinho sobre a pedra como ato de piedade, conferindo à mesma a coloração púrpura.

 


Mas não param por aí as aparições históricas da pedra semi-preciosa. Na Europa medieval, por exemplo, as pessoas bebiam água em taças de ametista para conferirem ao líquido aspecto semelhante ao do vinho devido à coloração púrpura do material.

A pedra também foi muito utilizada pela Igreja Católica, que acreditava que ela tinha poderes contemplativos, psíquicos, além de garantir ao seu dono seriedade e sinceridade. A ametista também aparece como auxiliadora do celibato e símbolo da devoção, e por isso desde a Idade Média (quando era mais cara do que os diamantes), ela tem sido utilizada por religiosos. Ainda hoje os bispos usam um anel de ametista no dedo para expressar a sua espiritualidade.

Já na cultura oriental, a pedra costumeiramente é colocada na testa para exercer força positiva sobre o “terceiro olho”, também conhecido por chakra Ajna. Ela também é sagrada no Tibet e tem forte ligação com Buda, que frequentemente tem seus rosários feitos do mineral.

 


A ametista também foi uma escolha natural para a realeza. A cor roxa, comumente utilizada para identificar esse grupo de pessoas com sangue real, é justamente o tom da pedra. Por isso, usar o mineral até o século XVIII significava ter elevado status social. Não é à toa que ela pode ser encontrada em diversas joias reais da época, especialmente da nobreza inglesa e francesa. A divulgação da pedra também foi ajudada pela Rainha Catarina, a Grande, que tinha verdadeira adoração por ela. Ainda hoje a ametista é usada para adornar a coroa da rainha da Inglaterra.

 

 

Localização

Atualmente, a ametista pode ser encontrada em todos os continentes. No Brasil há as maiores jazidas do mundo, mas grande parte das gemas extraídas no país não possuem qualidade necessária para o ramo joalheiro.

A cidade de Ametista do Sul (RS), por exemplo, já encontrou mais de 2.500 kg da pedra. Em Caetité (BA), no distrito Brejinho das Ametistas, também já foi encontrada uma ametista de 90kg! As cidades de Chopinzingo (PR) e Montezuma (MG) também são importantes polos de extração do minério.


Além do Brasil, outros países onde a ametista pode ser encontrada facilmente são: Uruguai, Sri Lanka, Madagascar e Rússia (sendo este último reconhecido pelos seus belos exemplares, que são extraídos das cavidades existentes em rochas graníticas, especialmente no distrito de Ekaterinburg).

 

Leia também:

 

Granada: A pedra preciosa do mês de Janeiro

 

 

1 Comentário

  1. PERFEITA!

Trackbacks/Pingbacks

  1. A influência dos balangandãs de Carmen Miranda - [...] Na década de 40, impulsionado pela imagem dos balangandãs de Carmen, o Brasil “mostrou a sua cara” para o …
  2. Água-Marinha: A pedra do Mês de Março | - [...] algum país ou continente. A pedra já foi encontrada nos quatro cantos do globo, mas assim como a ametista, …
  3. Pedras de formatura | - [...] Ametista Encontrada em coloração púrpura, a pedra tem poder psíquico, trazendo seriedade, sinceridade e força positiva para quem a …

Responder o comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*


*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>