Pages Menu
Categories Menu

Postado em 15/05/2014 em Ponteiros de Luxo | 0 comentários

Com 007 Viva e Deixe Morrer – Rolex Submariner e Hamilton Pulsar

Com 007 Viva e Deixe Morrer – Rolex Submariner e Hamilton Pulsar

O oitavo filme da série, que chegou aos cinemas em 1973, é o primeiro a ser protagonizado por Roger Moore. Na direção aparece novamente o cineasta britânico Guy Hamilton, que já havia encabeçado os trabalhos em “007 Contra Goldfinger” e “007 – Os Diamantes são eternos“.

Lançado dois anos após o longa-metragem anterior, “Live and Let Die” (nome original da produção) é conhecido por ser um dos volumes da franquia mais exibidos na televisão.


Após estrear no papel do espião mais famoso do mundo, Moore ainda estaria à frente de muitos títulos bondnianos - ao todo foram sete – e ele se despediria do personagem só 12 anos depois, em 1985.

 

Sinopse

 

Após três agentes britânicos serem mortos em um período de 24 horas, James Bond é enviado para investigar o caso. Lá, ele se depara com uma rede contrabandista de drogas orquestrada por Mr.Big/Dr.Kananga, um chefe de Harlem com dupla personalidade.

Após quase ser morto por um capanga do seu rival em Nova Iorque, o espião finalmente descobre que o objetivo principal dos traficantes é injetar dois bilhões de dólares em heroína no mercado americano.

Ao lado da bela Solitaire, o agente começa então a sua luta contra gângsters e feiticeiros de voodo.

 

As Bondgirls

 

Mulher bonita não faltou para Roger Moore em sua estreia como o galante James Bond. A primeira a ceder aos encantos do espião foi Miss Caruso, uma agente do Serviço Secreto Italiano que desaparece e, por isso, é procurada pela organização. Interpretada por Madeline Smith, a bondgirl abre o longa-metragem em uma cena em que está deitada ao lado do protagonista em sua cama.

 

 

Mas apesar do affair com Caruso, em “Com 007 Viva e Deixe Morrer” Bond foca a sua atenção na doce e sensitiva Solitaire. A taróloga de Mr. Big surge no longa como a responsável por prever o futuro e garantir a segurança do lugar controlado pelo bandido. No entanto, após ser seduzida pelo agente britânico, ela perde seus poderes e foge do domínio do vilão ao lado do amante. Foi a britânica Jane Seymour, também conhecida pelos trabalhos no longa-metragem “Em Algum Lugar do Passado” e na série televisiva “Dr. Quinn”, que deu vida à personagem.

 


James Bond ainda se relaciona com Rosie Carver, a primeira bondgirl negra a aparecer na série. A personagem era uma agente dupla da CIA que tinha a missão de matar o espião, mas acaba sucumbindo aos seus encantos. Após confessar o jogo sujo do qual fazia parte, é morta por capangas de Mr. Big antes de revelar a Bond para quem trabalhava. A personagem foi vivida pela novata norte-americana Gloria Hendry.

 

 

Os relógios de James Bond

 

Ao contrário do que acontece em “Com 007 só se vive duas vezes” e em “007 – Os Diamantes são eternos”, neste longa-metragem fica bem claro para o espectador os modelos de relógios usados na película. Assim como em boa parte dos filmes anteriores, o Rolex Submariner novamente ganha o pulso do espião mais famoso do mundo.

 


Porém, as atenções agora estão voltadas para o relógio Hamilton Pulsar LED (P2 2900), que nunca havia estado em nenhuma outra produção da franquia. Apresentado na época como um exemplar da mais alta tecnologia eletrônica, o relógio realmente faz jus à fama, mesmo que não tenha nenhuma função adicional e especial.

 


 

Curiosidades

– Em 5 de julho de 1973 o filme estreia em Londres e conquista mais um recorde de bilheteria: 36 milhões de dólares nos EUA e 161 milhões no resto do mundo;

– Os produtores cogitaram fazer de Solitaire uma mulher negra, levantando o nome de Diana Ross para o papel. No entanto, optou-se por manter as características de pele branca originalmente descritas no livro de Ian Fleming;

– “Live and Let Die” tem música central composta pelo ex Beatle Paul McCartney, sendo esta um dos principais sucessos de Paul e os Wings;

– A produção é considerada um expoente de blaxploitation (junção das palavras “black” e “exploitation”, que em inglês significam negro e exploração, respectivamente). Isso porque o filme distribui referências à sociedade negra norte-americana, a começar pelas regiões onde a raça era mais presente, como Nova Iorque e Nova Orleans.

0 Comentários

Trackbacks/Pingbacks

  1. 007 Contra o homem com a pistola de ouro: Rolex Submariner - [...] dirigido também os filmes: “007 Contra Goldfinger”, “007 Os Diamantes são Eternos” e “Com 007 Viva e Deixe Morrer” …

Responder o comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*


*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>