Pages Menu
Categories Menu

Postado em 15/07/2014 em Ponteiros de Luxo | 1 comentário

Glycine: Uma história de superação de quase 90 anos

Glycine: Uma história de superação de quase 90 anos

O Blog da Vecchio transporta os leitores novamente para a Suíça para contar um pouquinho mais sobre a história e o desenvolvimento de outra tradicional marca de relógios de pulso.

Fundada em Bienne, em 1914, a Glycine ganhou o seu espaço no mercado mundial ao mesclar valores da relojoaria com tecnologia de ponta. A fórmula de sucesso, então, foi aliar os preceitos clássicos da marca a um design moderno.

Assim como a Breitling, a Glycine firmou forte conexão com os aviadores  – profissionais e amadores – especialmente por meio de sua linha de relógios Airman, que abordaremos mais adiante. Mas não vamos pular etapas, o Blog da Vecchio quer contar a trajetória da rede tim-tim por tim-tim.

glycine-uma-historia-de-superacao-de-quase-90-anos

Como tudo começou…

Eugène Meylan foi um engenheiro de relógios bem rígido e perfeccionista. Esta, talvez, tenha sido uma das razões para a Glycine decolar. Com o metodismo do seu fundador, a marca logo criou pequenos e precisos movimentos para inserir em relógios femininos, o que permitiu a ela se posicionar convincentemente no mercado. Aliás, a Glycine tornou-se uma das principais provedoras de itens de luxo para pessoas ricas que apreciavam o “artesanato tecnológico”.

Assim como muitas empresas do ramo, a relojoaria passou por maus bocados durante a depressão de 29. Quando viver é o objetivo da maioria das pessoas, possuir relógios sofisticados cai na lista de prioridades. Foi nesta época que muitos expoentes relojoeiros sucumbiram antes mesmo de se firmarem.

relojoaria-Glycine

Mesmo com tudo contra, a Glycine sobreviveu e, em 1934, lançou uma linha de cronômetros que passou pelos rigorosos testes do Controle de Qualidade Oficial da Suíça. Quatro anos depois, em 1938, a relojoaria foi um dos 29 expositores da Feira de Basel, um evento anual que a marca não perde desde então.

Linhas de relógios

Em 1945, após a Segunda Guerra Mundial, os mercados foram reabertos, oxigenando novamente a economia. Em 1952 surgem os cronômetros VACUUM, desenhados para aguentarem choques e funcionarem em condições adversas, inclusive na água.

No ano seguinte, em 1953, a linha Airman – já citada no começo deste texto – foi apresentada ao público com bastante entusiasmo. Com o crescimento do número de pessoas acostumadas a viajar pelo mundo, estes relógios possibilitavam aos usuários terem dois fusos horários em seus pulsos.

Foram os relógios da linha Airman, reconhecidos por exibirem integralmente as 24 horas do dia, que os pilotos norte-americanos utilizaram para fazer o monitoramento de diversos fusos horários no auge da Guerra do Vietnã. Por essas e outras, desde o seu lançamento, a linha nunca mais saiu de fabricação e ainda hoje é o carro-chefe da Glycine.

Atualmente, além da Airman, outras 12 linhas são disponibilizadas pela marca, como a Altus, Combat, Lagunare, Observer e Stratoforte.

relogio-glycine-combat

Relógio Glycine Combat seminovo vendido na Vecchio Joalheiros

Crise e retomada

Em 1970, a indústria relojoeira suíça foi atingida pela disseminação dos relógios de quartzo do Extremo Oriente. A combinação de três fatores essenciais – recessão da economia, aumento do valor do franco suíço e revolução tecnológica dos modelos de quartzo – fizeram com que diversas marcas sucumbissem.

hans-brechbuhler-compra-a-glycine-1984

Hans Brechbühler comprou a Glycine em 1984

Foram seis anos de crise e 60 mil postos de trabalho perdidos. A Glycine também sofreu duras penas, mas sobreviveu novamente. Em 1984, com uma equipe bem reduzida, a marca foi vendida para Hans Brechbühler, que já vinha trabalhando com a rede em um esquema de cooperação baseado no desenvolvimento conjunto e troca de modelos de relógio.

Inovações foram promovidas por Hans, que fez da Glycine sucesso na Escandinávia, Itália, Holanda, Bélgica e Alemanha. Um linha de quartzo foi criada e modelos como TJalk, Heavy Duty e a linha Goldshield garantiram prestígio à relojoaria.

Novas estratégias foram adotadas mais uma vez no começo dos anos 90, quando Katherina, filha de Hans, entrou na companhia e implantou o seu próprio conceito da marca, resultando em produtos mecânicos cada vez mais integrados às coleções. A intenção deu certo e acabou por posicionar a Glycine como especialista de longa tradição em relógios mecânicos, título e reconhecimento que detém até os dias de hoje.

1 Comentário

  1. Amigos, onde consigo comprar um relógio desses que marca em 24h?

Responder o comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*


*